www.futebolamadordeminas.com

 O Esporte do Verdadeiro Amor à Camisa

E-mail: marcoantonio@hc.ufmg.br

           
 

Luizinho 

Luizinho (Luiz Carlos Ferreira) Posiçăo: Zagueiro Nascimento: 22/10/1958 Copa: 1982 Jogos pela seleçăo: 36 (2 năo-oficiais) Gols pela seleçăo: 2 Clubes: Villa Nova-MG, Atlético-MG e Sporting-POR Títulos: Campeăo mineiro em 1979, 80, 81, 82, 83, 85, 86 e 88, pelo Atlético-MG O que faz hoje: Dono de escolinha de futebol em Nova Lima (MG) 

O garoto Luizinho cursava o primário e era coroinha da Igreja Nossa Senhora do Pilar, em Nova Lima. Naquela época, e mesmo depois que passou para o secundário, năo tirava uma idéia da cabeça: queria, de todo jeito, ser padre.

Vez por outra, Luizinho jogava uma pelada. Foi crescendo e, na primeira série do curso secundário, resolveu mudar de ramo: foi fazer o curso de torneiro mecânico no Senai. E, ŕ medida que ia aumentando o ritmo das peladas, ia, também, diminuindo sua atividade na igreja do Pilar. Até que, por intermédio de um amigo da família, foi parar no dente-de-leite do Villa Nova, o glorioso Leăo do Bonfim.

Mas Luizinho queria mesmo era ser torneiro-mecânico e jogar suas peladas."Quem sabe eu chegue a jogar no time de cima do Villa ?", pensava ele. Um dia faltou um zagueiro titular e coube ao entăo ponta-de-lança Luizinho a funçăo de substituí-lo. Jogou tăo bem que năo saiu mais. Passou para o juvenil e, logo em seguida, para o time profissional. Entrando em um jogo ou outro, passou a se destacar no campeonato de 1978. A maior surpresa, no entanto, viria ao final do primeiro ano, depois que assinou contrato: o Santos queria levá-lo, junto com outros jogadores. O negócio acabou năo saindo, e em seguida surgiu o Cruzeiro em seu caminho. Mas ele foi mesmo para o Atlético, emprestado. No começo de 1979, ele já era considerado dono da posiçăo e, talvez, o melhor quarto-zagueiro de Minas Gerais.

Seu aprendizado rápido contou com a ajuda do parceiro Osmar, um beque experiente vindo do Botafogo. Năo demorou muito e o garoto de Nova Lima ganhou o Troféu Guará, oferecido aos melhores de cada posiçăo no Estado.

Seus atributos năo poderiam ser mais nobres: tranqüilidade invejável, colocaçăo precisa, antecipaçăo leve e suave, e um incrível senso de cobertura. Por isso tudo, foi para a Copa do Mundo de 1982 com apenas 23 anos de idade e dois de profissional. Aos 31, conseguiu o que mais desejava: ir para o exterior, fazer sua independęncia financeira. Foi jogar no Sporting, de Portugal. A igreja, decerto, perdeu um bom padre e, a mecânica, um exímio torneiro. O futebol, porém, ganhou um craque e o Atlético, um ídolo.

Luizinho fez 36 partidas pela seleçăo e marcou 2 gols.